NOTA DO EDITOR: A Children’s Health Defense emitiu esta declaração na Quinta-feira, horas antes do Presidente Biden anunciar oficialmente que a sua administração, exigirá que todos os funcionários federais tomem a vacina COVID, ou se submetam a testes contínuos, ao uso de máscaras e a distanciamento social.

A Children’s Health Defense (CHD), em resposta ao anúncio antecipado de hoje de que todos os funcionários federais e contratados devem tomar a vacina COVID ou se submeterem a testes de rotina da COVID, disse que a ação viola a Constituição dos Estados Unidos e o Código de Nuremberga, que diz claramente que Oconsentimento informado é essencial na experimentação médica.

Como as complicações a curto prazo das vacinas COVID ainda estão sendo relatadas e ainda não são totalmente compreendidas, e os resultados a longo prazo não serão conhecidos por ainda vários anos, é impossível dar-se o consentimento informado real.

A CHD também lembra que a taxa de sobrevivência da COVID em todos os grupos etários é de 98,23%. Em crianças, a taxa de sobrevivência é ainda mais alta – 99,985% – pondo em questão a necessidade de uma vacinação COVID generalizada.

“Este tipo de coerção seria impensável para os fundadores desta nação, e deveria ser impensável para todos os Americanos de hoje que valorizam serem livres de governos tiranos”, disse o presidente da CHD Robert F. Kennedy, Jr.

“Para os defensores da liberdade e da dignidade humana em todas as épocas, intervenções médicas coercivas são abomináveis “, disse Kennedy. “O fato destas vacinas serem testadas de forma duvidosa, experimental, não aprovadas e tão perigosas, que os seus fabricantes não podem obter seguro nem indenizar os usuários contra lesões graves ou morte, deve aumentar nossa repulsa ética”.

Quem for ferido pelas vacinas COVID, e as famílias daqueles que morrerem após a vacinação, não receberão indenização da indústria farmacêutica. Tanto a National Childhood Vaccine Injury Act de 1986 quanto o Countermeasures Injury Compensation Program (CICP) concedem imunidade de responsabilidade atribuída aos fabricantes de vacinas em casos de mortes e lesões que ocorram devido ao uso dos seus produtos.

Os pagamentos são excepcionalmente raros para o CICP, onde a compensação por lesões e mortes atribuídas à vacina COVID deve ser solicitada.

Desde 16 de Julho, o Sistema de Notificação de Reações Adversas de Vacinas (VAERS) do Departamento de Saúde e Serviços Humanos (HHS) dos E.U.A. recebeu 491.218 notificações de reações adversas , incluindo 11.405 mortes após a vacinação COVID.

Os americanos estão vocalizando mais as suas razões para se recusarem a tomar a injeção COVID. Alguns já se recuperaram da COVID, o que contra-indica o recebimento da vacina.

Algumas pessoas preocupadas com a vacina citam a história do “priming patogênico“, um mecanismo que outros pesquisadores descrevem eufemisticamente como “reforço imunológico”, em tentativas de desenvolver uma vacina contra coronavírus feitas anteriormente.

Este fenômeno pode ocorrer naqueles que recebem uma vacina, desenvolvem anticorpos e mais tarde se infectam com o vírus naturalmente, o que pode desencadear uma série de problemas de saúde e, em alguns casos, a morte.

cada vez mais relatos de “casos breakthrough” onde pessoas que foram totalmente vacinadas contra a COVID ficam infectadas com o vírus, o que inverte a escala risco/benefício.

Alguns que ainda estão indecisos sobre a vacina podem estar considerando a suposta supressão governamental de opções de tratamento contra a COVID que são viáveis e baratas, enquanto por outro lado existe pressão para a vacinação universal e todas as versões da vacina receberam Autorização de Uso em Emergências.

Embora o Departamento de Justiça dos E.U.A. tenha opinado no início desta semana que a exigência de vacinas experimentais é legal, a CHD discorda totalmente.

“O governo não tem nada que ordenar intervenções médicas experimentais”, disse Mary Holland, presidente e conselheira legal da CHD. “Esta situação é ainda mais difícil de entender , quando as pessoas apesar de receberem a vacina COVID ainda estão sendo infectadas, às vezes fatalmente, com o mesmo vírus contra o qual foram vacinadas”.

Além disso, os documentos do briefing da FDA mostram que as vacinas COVID não reduzem o nível de transmissão.

“Existem riscos associados a todas intervenções médicas, incluindo vacinas”, disse a Holand. “Desafia a lógica o fato das pessoas aceitarem um risco tremendo de uma vacina que não tem estudos de segurança a longo prazo diante de um benefício muito limitado, se é que tem algum,”.

Holand acrescentou: “A administração Biden deve concentrar os seus esforços em tratamentos terapêuticos e profiláticos bem sucedidos contra a COVID, que tenham demonstrado benefícios significativos com pouco risco”.